14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Mosaicos de Caminha

Desde pequenino que tenho uma atracção por mosaicos, fossem eles de chocolate, da “Lego”, os dos “quadradinhos” ou simplesmente os que decoravam a cozinha da minha avó. Gosto de mosaicos do mesmo modo que aprecio cabrito assado ou cozido à portuguesa, pronto!  Portanto está bom de ver, que teria de estar presente numa prova com uma denominação tão sugestiva: “Mosaicos de paisagens”.

Novo clube, um mapa já conhecido, num cenário com uma nuance paisagística perfeita (floresta, duna, rio, mar), fazia a receita ideal para dar início à nova época da modalidade. Os Amigos da Montanha de Barcelos, os ex-ACARF, tiveram o cuidado de nos proporcionar uma prova em que não houvesse que fazer qualquer reparo, tanto na parte técnica como em termos organizativos. O que não estariam à espera, era que uma outra iniciativa da modalidade, fosse adiada para esta data. Foi um revés, dado que limitou logo à partida a comparência de, pelo menos meia centena de atletas. Alguém com responsabilidades esteve desatento. Espero que isto não seja o prenúncio de situações menos agradáveis.

Assim, cerca de uma centena de atletas (os que se pôde arranjar), com o Monte de Santa Tecla no horizonte e a belíssima zona da foz do Rio Minho como terreno, deram o tiro de partida para mais um ano desportivo.

O espécie este ano está mais “antigo” e subiu de escalão…ou será que desceu? Depende da perspectiva, mas sinto que as novas alterações aos escalões só tiveram um objectivo: facilitar a vida à espécie de orientista. Arranjaram-me um percurso com menos metros e menor desnível, estes rapazes são mesmo “fixes”. O que não conseguiram foi parceiros, dado que apenas participaram três no meu escalão. Mas o mal foi geral. Escalões houveram que só tiveram um ou nenhum. Este cenário vai-se tornar repetitivo, infelizmente.

Foi um percurso mesmo ao meu jeito. O terreno era quase plano, uma zona de pinhal com vegetação rasteira e outra mais arenosa, com as já celebérrimas “suaves dunas”. A área pantanosa é que estava mesmo à maneira, sequinha de todo, para não complicar. Os 4.200 metros e 13 controlos foram percorridos em ritmo de início de temporada, não tendo os primeiros seis pontos causado qualquer problema. Mas na progressão para o sétimo, tive de fazer um desvio para evitar uma zona de vegetação bem densa, que por acaso nem constava do mapa (de geração espontânea?), e ao chegar a um caminho, entrei mais a norte do que inicialmente supus.

Para mal dos meus pecados, fui encontrar uma convenção da “pastoral juventude orientista”, visto que andavam naquele local uma meia dúzia de “jovens” à cata do mesmo ponto. Como tenho a mania que ainda sou um mocinho, juntei-me à expedição. Péssima opção, não parei para pensar, limitei-me a andar à nora tal qual a rapaziada, à procura da clareira certa. Este convívio com a malta mais nova “rendeu-me” três bons minutos de castigo.

Seguiram-se mais quatro pontos, cujo principal obstáculo foi a quantidade de arbustos que juncavam todo o terreno e dificultavam a corrida (???), parecendo até que estavam vivos, tal a facilidade com que se emaranhavam nos pés. E dei comigo na praia. Foi o bom e o bonito para me concentrar de novo, depois de observar todo aquele “maralhal” a deleitar-se nas ondas, a espreguiçar o esqueleto ao sol ou a construir “castelos” de areia.

Os veraneantes miravam-nos com aquele olhar de compaixão, mas simultaneamente de admiração, ao repararem que toda aquela gente totalmente vestida e calçada, a suar as estopinhas, mal lhes “passava cartão”, preocupando-se apenas em seguir um mapa e encontrar os seus “prismas”. Devemos ter sido considerados uns heróis ou…maluquinhos.

E esta ida ao mar, comprometeu ainda mais o desfecho final do espécie. Nos dois pontos marítimos, consegui perder cerca de cinco minutos, mas oxigenei os pulmões de maresia, que gerou o combustível ideal para as duas derradeiras pernadas. O resultado acabou por ser aceitável, mas quando constato o tempo gasto pelo “supersónico” Rui Antunes, 32 minutos e “pico”, fico pouco menos que siderado quando espreito para os meus lamentáveis “59,18” (quando tiver a sua idade quero ser como ele).

Mas esteve para acontecer um facto que poderia ter causado danos irreparáveis à orientação. Se eu tivesse estado presente no percurso de domingo, o mais provável é que fosse ao pódio! Não abram essa boca de espanto, pois já vos disse que só éramos três no escalão. O novo formato do regulamento de provas vai permitir, que por falta de quórum, um dia destes eu venha a ser premiado. E que modalidade se pode dar ao luxo de ter “uma espécie” no pódio? 


 

Periodicidade Diária

domingo, 15 de setembro de 2019 – 16:22:10

Pesquisar

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...