15 anos ao serviço do Desporto em Portugal

Notícias

Os velejadores da Volvo OceanRace estão prontos para os Mares do Sul

 

As sete equipas da Volvo Ocean Race,vão começar uma das etapas clássicas das regatas offshore, neste domingo à tarde em Auckland, Nova Zelândia.

 

A 7ª etapa da Volvo Ocean Race é um desafio extraordinárionos Mares do Sul; uma etapa de 7.600 milhas náuticas através dos"Furious Fifties", as inóspitas e distantes águas a sul de 50 graus de latitude que circundam a Antártica, chegar e passar o Cabo Horn, e depois seguir até Itajaí, no Brasil.

 

"Está a ficar frio", disse Bouwe Bekking, skipper do Team Brunel, que está na sua oitava volta do planeta. "Provavelmente é a melhor vela que se pode fazer. Neste momento conhecemos os barcos muito bem, vamos andar a 100 por cento. 

 

"E ir ao redor do Cape Horn é uma grande motivação psicológica, como sabem, o Oceano Austral está atrás de nós, e cada milha vamos para norte fica mais quente. Então, é engraçado, haverá momentos em que odiamos, mas sabemos que melhores condições estão à frente e quando se chega ao Brasil, esquecemo-nosdas partes mais difíceis e as boas partes ficam connosco ". 

 

A 7ª etapatem a pontuação a dobrar, com um ponto de bónus adicional atribuído ao primeiro barco a passar o Cabo Horn. Com tantos pontos em jogo, esta etapa clássica nos Mares do Sul, são um regresso às origens da regata, e pode ser decisiva na tabela de classificação. 

 

O MAPFRE lidera a classificação geral após seis etapas, mas depois de ter feito um quarto lugar e ter que recuperar muito para entrar no pódio em Auckland, a posição da equipa no topo não parece tão segura como era no início.

 

"Claro que eu sinto que eles estão cada vez mais próximos, mas só podemos fazer uma coisa - empurrar o barco, navegar bem e tentar ganhar essa etapa", disse o skipper do MAPFRE, Xabi Fernández, que tem seis passagensno Cabo Horn para seu crédito. 

 

"Se ganharmos esta etapa, é um grande passo em frente. Não há nada a mudar, precisamos navegar um pouco melhor do que os outros e puxar um pouco mais". 

 

O Scallywag é uma das equipas que pressiona os líderes. Foram primeiro e segundo, nas duas últimas etapas, e subiramna classificação geral para o terceiro lugar. O skipper David Witt foi sucinto quando lhe perguntamos sobre a sua abordagem a esta etapa nos Mares do Sul. 

 

"Nós vamos ganhar a etapa. Esta é a mentalidade ", disse Witt. "Esta é uma grande oportunidade

 

para o Scallywag ficar no grupo da frente e fazer algo mais, ou voltar para a parte de trás do pelotão ... Não nos importa o que corra mal ou o que se parta ... Nós apenas vamos avançar com tudo".

 

Outra equipa que está a subirna tabela da classificação geral é o AkzoNobel. O skipper Simeon Tienpont levou sua equipa à vitória na etapa para Auckland, e agora está determinado a continuar a carga. 

 

“Nós temos que olhar para a regata como um todo, e ainda há mais de 50 por cento de pontos em disputa. Temos melhorado muito com uma grande curva de aprendizagem. Estamos a trabalhar muito e queremos manter o ritmo. A vitória na etapapara Auckland provou que estamos no caminho certo e deu-nos muita confiança. " 

 

A zona de exclusão de gelo para a 7ª etapa está definida muito a sul, em pontos tão profundos como a linha de latitude sul de 59 graus. Em teoria, isto reduzirá a distância que os barcos precisam de navegar e vai acelerar a etapa. Mas tem um custo - mares mais frios e impetuosos, com vento e ondas que circundam o planeta sem barreiras. O desafio não é ignorado pelos velejadores.

 

"Não podemos ignorar para onde vamos e a responsabilidade que cabe ao skipper", disse Dee Caffari, skipper do Turn the Tide on Plastic. "Mas já tivemos a 3ª etapa, de Cape Town a Melbourne. Já todos tiveram uma amostra de quão molhada, fria e ventosa pode ser. Não estamos a ir para o desconhecido, o que dá muito mais confiança ". 

 

O skipper do Dongfeng, Charles Caudrelier, pode falar em primeira mão sobre o desafio que essa parte do mundo pode ser. 

 

"É uma etapa difícil com certeza. Às vezes temos que esquecer a regata e cuidar do barco e da tripulação ", disse ele. "Eu sei disso muito bem. Eu fiz esta etapa duas vezes e nunca terminei com o mastro em cima do barco! E o Pascal (Bidégorry) também fez essa etapa duas vezes e nunca passou o Cabo Horn! Por isso, este é um dos nossos objetivos, passar o Cabo Horn e terminar com o mastro para cima! " 

 

A regressar à frota está o Vestas 11th Hour Racing depois de perder as duas últimas etapas com os danos sofrido numa colisão perto do final da 4ª etapa. O skipper Charlie Enright diz que sua equipa está ansiosa por voltar a competir de novo e continuar a desafiar os líderes.

 

"A equipa regressou em grande forma, e a reparação está excelente", disse ele. "Há 16 pontos disponíveis para o vencedor e se pensarmos que agora temos 23 pontos, por tudo isso uma etapamuito movimentada e agitada. Tivemos uma etapa bem sucedida nos Mares do Sul na última vez, e esperamos repetir essa classificação ". 

 

A 7ª etapa começará às 14:00, hora local em Auckland, às 01:00 UTC, domingo, 18 de março.

 

 

Periodicidade Diária

quarta-feira, 5 de maio de 2021 – 21:05:52

Pesquisar

Como comprar fotos

Reportagens fotográficas em preparação

- CNV Estoril I - 2021

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...