15 anos ao serviço do Desporto em Portugal

Notícias

Volvo Ocean Race - Respirar após um início furioso!

 

Depois de umas primeiras 24 horas rápidas e furiosas da 3ª etapa, a frota da Volvo Ocean Race aproveitou hoje um breve momento de acalmia enquanto cruzavam uma crista de alta pressão.

 

Foi um início espetacular para a etapa de 6.500 milhas náuticas que liga a Cidade do Cabo, na África do Sul,a Melbourne, na Austrália, com o famosovento 'Cape Doctor' a levar a frota para fora da cidade com 20 a 25 nós de vento, e um mar muito grande. Quando a noite chegou, alguns barcos tiveram rajadas de 40 nós.

 

Depois de duas semanas em Cape Town, a recuperar-se dos rigores da 2ª etapa, as primeiras 24 horas da 3ª, mostraram às equipas como é a vida nos extremos. 

 

Durante as próximas duas semanas, os 63 velejadores e sete repórteres embarcados vão enfrentar o pior clima do mundo, os Mares do Sul a única zona do globo sem terra. 

 

É conhecido pelas suas ondas monstruosas e ventos assustadores, provocados por um fluxo interminável de depressões violentas que circundam a parte baixa do planeta sem restrições.

 

Medo e respeitado em igual medida, os Mares do Sul também são uma parte intrínseca da Volvo Ocean Race, tendo marcado fortemente em cada uma das suas 12 edições até agora. 

 

A edição 2017-18, 13, possui três vezes mais milhas do Oceano Antártico do que as recentes edições,recordando os pioneiros desta competição

 

Às 1300 UTC, a equipe Sun Hung Kai / Scallywag, com o português António Fontes como navegador, liderava devido à sua posição um pouco mais para o leste, mas aparentemente o MAPFRE, Dongfeng Race Team e o AkzoNobel estão melhor posicionados para chegar ao sul mais rapidamente.

 

As velocidades de toda a frota caíram para cerca de 10 nós.

 

"Nós temos que atravessar uma zona de transição e elas são sempre difíceis de atravessar, porque é uma transição entre duas áreas de vento num sistema de alta pressão", disse o skipper do Dongfeng, Charles Caudrelier. "Estamos a tentar deixar a alta pressão no seu extremo sul para apanhar a baixa pressão cá em abaixo, mas essas condições são sempre difíceis. O vento é muito ligeiro. Temos sorte porque o sistema está a mover-se na direção oposta à nossa ". 

 

Os ventos ligeiros são um alívio para as tripulações depois de um primeiro dia exaustivo, permitindo que as tripulações verifiquem os seus barcos, sequem a roupa - e preparem-se mental e fisicamente para o que está para vir.

 

Um enorme sistema de baixas pressões está-se a desenvolvera oeste da frota e, dentro de diasvai engolir as equipas com ventos de até 60 nós.

 

"Há muita tensão sobre o que vai acontecer dentro de alguns dias", disse Bleddyn Mon, a fazer a sua estreia no Turn the Tide on Plastic nesta etapa. "Estamos todos à espera que isso aconteça. Estou ansioso para um pouco de vento e algumas grandes ondas ".

 

Juan Vila, navegador no MAPFRE, acrescentou: “A curto prazo, esperamos que o vento tenha cerca de 20 nós, mas o grande temporal será na quinta ou sexta-feira, quando a primeira frente chegar. A previsão atual tem ventos de mais de 40 nós. O objetivo principal será manter o barco inteiro ".

 

Espera-se que a 3ª etapa demore cerca 14 dias, dando um ETA para Melbourne entre 24 e 26 de dezembro. 

 

3ª etapa - Classificação - Segunda-feira 11 de dezembro (Dia 2) - 13:00 UTC

 

1 - Sun Hun Kai / Scallywag - distância até ao final - 5,542.5 milhas náuticas

2 - AkzoNobel +1,2 milhas náuticas

3 - MAPFRE +2,5

4 - Dongfeng Race Team +3,5

5 - Team Brunel +4.0

6 - Vestas 11th Hour Racing +6.4

7 - Turn the Tide on Plastic +6.9

 

 

 

Periodicidade Diária

segunda-feira, 17 de maio de 2021 – 00:00:09

Pesquisar

Como comprar fotos

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...