15 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Volvo Ocean Race - Alivio para a frota enquanto o Brunel passa para a frente

 

Com os ventos moderados a 20-25 nós, que hoje se fazem sentir, os sete barcos da Volvo Ocean Race seguem no Oceano Antártico em direção ao Cabo Horn, e aproveitam a oportunidade para se reagrupar antes do próximo vendaval

 

Bouwe Bekking, no Brunel, tomou uma opção mais a norte, nas últimas 36 horas, em comparação com a maior parte da frota e parece ter valido a pena, com o barco amarelo deslizando para o sul na frente do pelotão com uma vantagem de 23 milhas.

 

“Algumas velejadas incríveis, mas também momentos de muita tensão, especialmente quando precisamos de fazer manobras”, escreveu Bekking. Convém notar, que sua opção para o norte reduziu o número de manobras em comparação com o resto da frota.

 

“Nós tivemos ventos de 40 a 45 nós, o que não é divertido, na verdade é em modo de sobrevivência, mas, também sabemos que os outros não estão seguros ... de jeito nenhum. É a maneira de navegarmos.

 

Há um grupo de três equipas perseguidoras - Dongfeng Race Team, Turn the Tide on Plastic e o Vestas 11th Hour Racing, todas a algumas milhas umas das outras e a procurar encurtar a distância. O AkzoNobel, outro defensor da opção norte, está-se a esforçar para voltar juntar-se ao grupo, mas vai tentar posicionar-se à frente deste grupo.

 

O MAPFRE, que estava na frente ou perto da linha de frente desde o início da etapa, hoje perdeu muito . Com os ventos a diminuir, os danos no mastro estão a impedir a equipa de tirar o duplo riso na vela principal 

Enquanto o resto da frota aumenta a área vélica nos ventos moderados, o MAPFRE está a navegar sem potência, às vezes, até 3 nós mais devagar.

 

"Fizemos um pequeno conserto para navegar com dois risos e agora estamos a tentar retirá-lo para poder navegar normalmente daqui para até ao final da etapa", disse Pablo Arrarte, numa equipa da MAPFRE com algumas reservas. "É difícil. Ainda estamos a trabalhar nisso ... Ainda não temos a solução completa ... Temos 20 horas até que o vento forte volte, por isso precisamos de arranjá-lo antes disso. "

 

100 milhas mais para trás, o SHK / Scallywag está de volta ao seu ritmo depois de lidar com seus problemas após uma cambadela “chinesa” no sábado, que colocou o barco de lado com muito vento e o mar revolto. 

 

“A reação inicial é apenas cuidar das pessoas e do barco", disse o skipper David Witt. “Mas depois de passar por isso e por o barco a andar novamente, você compreende a enormidade do trabalho que todos os skippers da prova têm, para garantir o bem-estar das pessoas a bordo. Nós ficamos de lado no meio do Oceano Antártico, no meio da noite e a coisa mais próxima de nós é um satélite. Realmente chegar a casa ...

 

"Mas a nossa tripulação não desiste e merecem um resultado nesta etapa, essa é agora a nossa responsabilidade." 

 

Hoje de manhã bem cedo, o Brunel liderava a frota quando passou pelo Point Nemo, o ponto mais remoto do mundo. O Point Nemo está a quase 1.400 milhas náuticas da terra mais próxima, o que significa que as pessoas mais próximas dos tripulantes, além das outras equipas, são os astronautas da Estação Espacial Internacional, cerca de 220 milhas náuticas acima deles. 

 

7ª etapa - Classificação geral - Domingo 25 de março (Dia 8) - 13:00 UTC

 

1 - Team Brunel . distância até ao final - 3692,89 milhas náuticas

2 - Vestas/11th Hour Racing +23,20

3 - Dongfeng Race Team +24,71

4- Turn the Tide on Plastic +25,48

5 - AkzoNobel +43,45

6 - Mapfre +43,85

7 - Sun Hung Kai / Scallywag +138,21

 

 

Periodicidade Diária

quarta-feira, 23 de junho de 2021 – 09:49:33

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...