15 anos ao serviço do Desporto em Portugal

Notícias

A 6ª etapa da Volvo Ocean Race para Auckland coloca novos desafios para os velejadores

 

A 6ª etapa conta com 6.100 milhas náuticas para levar a frota até Auckland, na Nova Zelândia. A frota começará por atravessar o Mar do sul da China até à ponta norte das Filipinas. Depois, segue para o Pacífico onde os espera um longo bordo para sudeste, evitando as muitas ilhas da Polinésia até chegarem a Auckland.

 

É mais uma etapa que será dominada pela estratégica passagem norte-sul dos Doldrums, que se mostrou tão decisiva na 4ª etapa até Hong Kong. E, claro, o sprint final para Auckland, na costa leste da Nova Zelândia, aqui temos visto muitas regatas de match-race ao longo dos anos, à medida que a frota se aproxima da Cidade das Velas. 

 

O MAPFRE, líder da classificação geral, cruzará a linha de largada para Auckland com uma vantagem de quatro pontos em relação ao Dongfeng Race Team. Com mais uma passagem nos Doldrums, os dois skippers vêem o risco potencial da etapa.

 

"A etapa para Auckland, é o que eu chamo de etapa complicada", disse Charles Capudrelier, skipper do Dongfeng. "Nós temos que atravessar os Doldrums, sabemos que é complicado e um pouco aleatório, estamos preocupados em não apanhar uma nuvem ruim desta vez.

 

“Mas, também é uma das melhores etapas quando você chega a Auckland, que é um lugar fantástico onde as pessoas realmente conhecem regatas offshore e adoram esta competição". 

 

O skipper espanhol Xabi Fernández conhece na primeira pessoa o desafio que os Doldrums representam, como foi o caso na 4ª etapa, de um sólido começo, para o palco transformado numa batalha perdida com as nuvens e um resultado decepcionante.

"Todos sabemos o quão difícil são os Doldrums, e como na última vez para nós ainda foi mais difícil", disse Fernández. "Nós estávamos um pouco separados dos líderes, e em 10 ou 15 horas foi doloroso ver os outros a fugir ..."

 

A previsão para o horário de início das 11:00 da manhã, de quarta-feira em Hong Kong, é para um vento de 12-15 nós de Nordeste, condições ideais para levar a frota em direção a Auckland. Mas, à medida que a frota avança, ventos mais fortes são previstos nos primeiros dias.

 

"São sempre notórias estas condições", disse Dee Caffari skipper do Turn the Tide on Plastic. “Lembro-me, na última edição quando saímos de Sanya (China) tivemos um vento contra semelhante, condições duras através do Estreito de Luzon. Então, é o mesmo novamente desta vez.

 

"Também é um pouco enganador, já que quase tivemos que nos afastar da Nova Zelândia antes de apontar o barco e dirigir-nos para lá. Psicologicamente também é uma etapa dura.

Isto marcará a 11ª vez que a regata visita a Nova Zelândia, e a 10ª vez que para em Auckland. Muitos vão olhar para a Nova Zelândia como um lar espiritual da Volvo Ocean Race, com mais de 350 velejadores Kiwis que participaram na regata desde 1977.

 

Seis equipas vão largar de Hong Kong, o Vestas 11th Hour Racing emitiu um comunicado na segunda-feira, a informar que não vão poder participar nesta etapa.

 

A etapa começa às 11:00 horas locais em Hong Kong (03:00 UTC), dia 7 de fevereiro

 

Periodicidade Diária

terça-feira, 11 de maio de 2021 – 07:16:32

Pesquisar

Como comprar fotos

Reportagens fotográficas em preparação

- Cascais 49er & 49er Fx Chamnpionship Act I

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...