17 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

"Amar a Vida como ela é" de Sofia Caessa


Sofia Caessa é uma escritora e contadora de histórias para crianças com muito sucesso,  talento e sempre disponível para abraçar novos desafios.

Já editou dois livros infantis tanto com a versão em português como também com tradução para a língua inglesa. É também mentora do projecto “Contos por carta” que proporcionou às crianças durante a pandemia, que devido ao confinamento não podiam ir às sessões da autora para ouvir contar as suas histórias. Sofia Caessa criou os “Contos por carta", uma ideia inovadora de contar histórias infantis que mesmo após os confinamentos provocados pela pandemia continua a ser um sucesso e é um modelo para continuar. Em vez de usar o tradicional livro, as crianças recebem na sua caixa do correio os capítulos através de uma carta, durante várias semanas. É interessante os mais novos receberem uma carta para si com um capítulo de um livro, que no final dos envios têm a história completa. Neste projecto dos “Contos por Carta”, Sofia Caessa envia as cartas para qualquer país da União Europeia e tem também finalizada uma versão adaptada ao ambiente escolar que conta com a participação dos educadores.

Com o conflito na Ucrânia, a escritora fez uma carta específica para crianças ucranianas hospitalizadas ou mesmo a necessitar de um carinho especial. Essa edição teve tradução para ucraniano e foi difundida de forma a chegar ao maior número de crianças possível.

Sofia Caessa tem tido uma vida conturbada em termos de saúde, lidou com dois cancros da mama e um dos seus filhos também teve leucemia.

Mesmo com estas rasteiras pregadas pela vida tanto na primeira como terceira pessoa (“eu” e “ele”) Sofia não baixa a guarda e com muita coragem e mesmo com os seus tratamentos e os do seu filho, continua a escrever, a contar histórias para crianças e a contribuir para as tornar mais felizes.

Desta vez o livro "Amar a Vida como ela é" não é para a mesma audiência das obras anteriores. Aqui ela expõe a sua vivência dos episódios clínicos e a sua fragilidade em termos de saúde, o seu testemunho do que foi passar por eles e como superou e também "Amar a Vida como ela é".

AMMA: Habituada a escrever para crianças, fazer este novo trabalho literário foi um grande desafio?

Sofia Caessa: Antes de escrever para o público infantil eu escrevia artigos para revistas. E, desde sempre, escrevi prosa e poesia como forma de lidar com as minhas emoções e os meus desafios. 

AMMA: Escrever sobre si, principalmente testemunhar a vivência dos dois cancros que teve, como também a leucemia do seu filho não deve ser fácil. Como teve energia para materializar este livro? Houve muitas lágrimas a correr pelo seu rosto ao longo do projecto?

SC: Durante o processo de tratamento do meu filho, agarrei-me à escrita como uma boia de salvação. Acreditei e ainda acredito que partilhar a minha experiência e a forma como a encaro poderia trazer algo de bom para os outros. Escrever sobre esse sofrimento e deixar as lágrimas pintarem as folhas foi  uma maneira de enfrentar as minhas emoções e não deixar que as suprimisse.

AMMA: Este livro foi espontâneo, ou partiu de um desafio de alguém?

SC: Os textos foram surgindo espontâneamente. A certa altura senti a necessidade de partilhar esses textos num blogue. Depois de perceber o impacto positivo que estavam a ter nas pessoas decidi abordar uma editora com uma proposta editorial. Após aceitação dessa proposta estive cerca de dois anos a escrever este livro.

AMMA: A obra está mais direcionada para pessoas que estejam a passar por uma situação de cancro, seus familiares, ou foi estruturada para ser lida por todos?

SC: Apesar de ter um ênfase no cancro, pela experiência pessoal que tive com essa doença, acredito que a mensagem poderá ser abraçada por qualquer pessoa que esteja a passar por um obstáculo ou desafio, quer seja a nível de questões de saúde ou de outra natureza.

AMMA: Que mensagem chave quer passar aos seus leitores com esta obra?

SC: Quero passar a mensagem que o amor e a aceitação incondicional são essenciais na vida. Não senti revolta pelo meu cancro nem pelo cancro do meu filho. Aceitei a realidade tal como ela me foi oferecida. E amei o quanto pude amar: o meu corpo doente, o corpo doente do meu filho, a minha vida que tinha vivido até ao momento, o milagre de ser mãe do meu filho... Senti muita gratidão pela minha vida e pelo amor que tinha por tudo e todos na minha vida, mesmo sabendo que a minha morte ou a morte do meu filho eram uma possibilidade real. 

AMMA: Acha que este tema não é muito falado em Portugal? Será por reserva à vida privada das pessoas que passam por cancro, para não relembrar o sofrimento, ou não há interesse em elaborar e publicar obras literárias deste género?

SC: Sinto que nos últimos tempos têm surgido mais obras sobre cancro. Há mais testemunhos sobre quem passou por esta doença. Também há, infelizmente, um número avassalador de casos de doenças oncológicas por ano. Mesmo assim, ainda é uma doença e um tema que causa sofrimento, difícil de abordar e discutir. Ainda não se diz a palavra "cancro" com a naturalidade que se diz "diabetes", por exemplo.  

AMMA: Esteve presente na Feira do Livro de Lisboa no dia 3 de setembro pelas 16h00 para o lançamento do livro na Editora Alma dos Livros e com a respectiva sessão de autógrafos. Para si foi um privilégio fazer o lançamento neste evento?

SC: Para mim, poder fazer o lançamento na Feira do Livro é um sonho que nem sequer tinha sonhado por ser tão grandioso! 

AMMA: Que mensagem quer passar para os seus leitores, de forma a enquadrá-los na obra e também aos que estão a passar por situações parecidas com as suas?

SC: O meu desejo com esta obra é ajudar quem esteja a passar por uma situação de sofrimento a encará-la de outra forma, a ver essa situação de uma outra perspetiva. Eu sei o que é viver com a sombra do morte a espreitar por cima do ombro mas isso nunca me impediu de viver a minha vida, de amar a minha vida e de correr riscos. A vida é para ser vivida na sua plenitude, aceitando-a pela sua imensa fragilidade intrínseca. 

Texto: Pedro MF Mestre

Imagem e foto cedida por Sofia Caessa

Periodicidade Diária

terça-feira, 29 de novembro de 2022 – 10:32:03

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...