14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

FPR divulga Boletim Informativo nº. 35 - 2018/19

 

[1] COMUNICADO  DA DIRECÇÃO

Como é do conhecimento geral, no jogo do CN2 realizado no passado dia 6 de Janeiro de 2019, entre o Belas Rugby Clube e o Clube de Rugby do Técnico, este último clube fez alinhar um jogador que, além de estar a

cumprir uma sanção de suspensão, jogou com identidade falsa, o que levou o Conselho de Disciplina a sancionar o mesmo, com 11 semanas de suspensão e a desclassificar a equipa (Boletim Informativo n.º 24, de 15/02/2019).

Em sede de recurso, decidiu o Conselho de Justiça revogar a decisão, pelo facto de o Belas Rugby Clube ter deixado esgotar quer o prazo previsto no Regulamento de Disciplina para apresentação de protesto, quer o prazo para fazer uma participação ao Conselho de Disciplina para que, em sede de inquérito, se apurassem os factos (Boletim Informativo n.º 31, de 29/03/2019).

Após a publicação desta decisão, não quis a Comissão de Gestão da Federação Portuguesa de Rugby, ou não procurou, resolver atempadamente a situação, como seria recomendável, nomeadamente contactando os clubes

envolvidos na competição em causa para, no interesse colectivo, se procurar uma solução para a rápida realização dos jogos em que o Clube de Rugby do Técnico deverá participar.

A Direcção da Federação Portuguesa de Rugby, ao iniciar as suas funções, confrontada com o problema e tendo presentes os interesses e expectativas de todos os clubes decidiu, no exercício das suas competências de gestão e supervisão das competições desportivas, pela

realização dos seis (6) jogos em causa no período que decorre entre 24 de Abril e 22 de Maio de 2019 para que, o mais rapidamente, se possam realizar as meias-finais e o apuramento do vencedor do CN2. Conta, para o efeito, com a cooperação, a compreensão e o espírito desportivo das equipas envolvidas.

A Direcção da Federação Portuguesa de Rugby quer aproveitar esta ocasião para repudiar ocorrências desta natureza que, além de configurarem responsabilidade criminal e disciplinar é violadora da verdade desportiva e contrária aos valores da sã competição, lealdade e transparência.

Considerando que não basta apregoar os valores do rugby mas, sobretudo, preservá-los e pôr tais valores em prática, a Direcção da Federação Portuguesa de Rugby não pactuará com este tipo de condutas dos agentes desportivos e tudo fará para que não tornem a ocorrer no futuro.

Uma palavra de apreço e de estímulo para os clubes - Escolinha de Rugby da Galiza, Rugby Clube de Elvas, Rugby Clube de Loulé, Braga Rugby e Moita Rugby Clube da Bairrada -  que, involuntariamente, se vêm envolvidos numa situação a que são totalmente alheios.

Lisboa, 24 de Abril de 2019

A Direcção da FPR

 

 
 
[2] ARBITRAGEM

1-      O projeto #EuApito esteve integrado nos trabalhos dos Estágios de Páscoa de Rugby Juvenil (Sub-14 | Sub-16) no Espaço Agros e na Alta de Lisboa.

Como tem sido habitual, iniciaram-se os trabalhos com uma sessão teórico-prática em que foram abordados os temas da Formação Ordenada; Placagem e pós-placagem; Comunicação preventiva e Posicionamento/ Linhas de corrida, passando de seguida à parte prática, com arbitragem dos jogos dos Sub-14 e Sub-16.

No Estágio da Região Norte-Centro, o formador de árbitros foi o Ferdinando de Sousa e onde, também, estiveram envolvidos os seguintes formandos: Manuel Mendonça e Tomás Mendonça (ambos do Sport CP) arbitraram os sub-14, enquanto que Gustavo Mouro (RC Lousã) e Leonor Lopes (ES Agrária Coimbra) arbitraram os sub-16.

Na Região Sul, o formador de árbitros foi o Paulo Duarte e onde, também, estiveram envolvidos os seguintes formandos: Gonçalo Couto - (CR Evora), Marco Minelli de Almeida  - (CR Técnico ), Pedro Maria D’Orey Belmar da Costa - (CR São Miguel), João Paulo Cunha Simões  - (GDS Cascais), Francisco André Santos D'Oliveira - (GD Alcochetense), Diogo Maria Caixas Inácio  - (RC Elvas), Rita Bonito  - (GD Alcochetense), Tomás Bonito - (GD Alcochetense), Francisco Catarino Pires Lacerda - (CR Técnico)


2 - O Torneio Internacional Portugal Rugby Youth Festival realizou-se em Lisboa nos dias 13 e 14 de Abril e contou com cerca de 300 jogos, os quais foram assegurados por uma equipa de 38 árbitros, incluindo vários formandos do projeto #EuApito.

Francisco Lacerda (AEIS Técnico), Gonçalo Couto (CR Évora), Gonçalo Prazeres (AEIS Agronomia), João Simões (GDS Cascais), Leonardo Marques (Sporting CP), Lino Temido (AA Coimbra), Luis Cabral (GD Direito) e Nuno Onofre (CR São Miguel) colaboraram na arbitragem de jogos dos escalões de sub-13 e ainda em alguns jogos do torneio de apuramento de sub-15 e sub-17.

Do quadro de árbitros da FPR participaram ainda Álvaro Oliveira, Bruno Rodrigues, Carlos Lourenço, Fernando Mendes, Guilherme Themudo, Joaquim Castanheira, Maria Heitor, Nelson Pequeno.

A coordenação dos árbitros foi feita por Ferdinando de Sousa (DTA da FPR), contando com o apoio de Dana Teagarden (DTA da Alemanha), Álvaro Oliveira, Bruno Rodrigues e Sebastião Petronilho.
 

 
 
[3] MARCAÇÕES DE JOGOS 

Podem consultar as marcações de jogos através do seguinte link: http://www.fpr.pt/fixtures/

Queiram proceder em conformidade com o Artigo 28º - ponto 5 do RGC:
“ Os Clubes a quem caiba apresentar campo para a realização de jogos das suas equipas deverão comunicar, por correio electrónico e até 15 dias antes da data da realização do jogo, ou até 48 horas após o sorteio, no caso de jogos para a Taça de Portugal, à FPR e aos Clubes adversários, a data, hora e local propostos para a realização dos mesmos. “
 

 
 
[4] CONSELHO DE JUSTIÇA

Acórdão do Conselho de Justiça
da
Federação Portuguesa de Rugby

Processo CJ n.º:  9/2019

Recorrente:          Vasco Rafael Simões Gomes, atleta do Moita Rugby Clube da Bairrada

Relator:                  António Folgado

Jogo:                        Moita Rugby Clube da Bairrada vs. Braga Rugby, CN2 Sénior – 2ª Fase, Apurados N/C

Data:                        09 de Março de 2019

Sumário:                I. Presumem-se verdadeiros os factos descritos pelo árbitro no relatório disciplinar do Boletim de Jogo, cabendo aos autores desses factos afastar tal presunção.

                                   II. O envio do Boletim de Jogo à FPR (artigo 11.º, n.º 3 do RD) e o início da contagem do prazo para determinação da abertura do inquérito ou do procedimento disciplinar (artigo 13.º, n.º 1 do RD) são situações distintas e que não devem confundir-se.

                                   III. O não cumprimento do prazo previsto no n.º 1 do artigo 13.º do RD, impede o CD de determinar a abertura de inquérito ou de procedimento disciplinar.

Vasco Rafael Simões Gomes, atleta do Moita Rugby Clube da Bairrada (MRCB) vem, por via de recurso, requerer a revogação da decisão do Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Rugby (FPR), de 20 de março de 2019, que lhe aplicou a sanção de seis (6) semanas de suspensão.

1. O recurso deu entrada na FPR no dia 01 de Abril, através de mensagem de correio eletrónico pelo que, tendo o ora recorrente sido notificado no dia 22 de Março, o mesmo é tempestivo, de acordo com o disposto no n.º 1 do artigo 16.º e do artigo 41.º ambos do Regulamento de Disciplina (RD), tendo legitimidade para recorrer.

2. Nas suas alegações o ora recorrente afirma, em síntese, que a decisão do CD deve ser revogada, porquanto: 

(a) o processo disciplinar é nulo, já que o árbitro do jogo não deu cumprimento ao estipulado no n.º 3 do artigo 11.º do RD; 

(b) reconhecendo uma violação daquela disposição, o CD não levou em conta a nulidade arguida na defesa que apresentou à nota de culpa, porque o entendimento deste órgão é o de que o prazo que deve ser tido em conta para o envio do Boletim de Jogo pelos árbitros é de 2 dias úteis e não o próprio dia após o fim dos jogos. 

(c) esta decisão é inaceitável e, por isso, deve ser revogada porque viola manifestamente os princípios da segurança pública e da proteção da confiança e, assim, o processo disciplinar deve ser arquivado.

(d) a decisão do CD viola também o princípio da igualdade.

Tudo visto, cumpre apreciar.

3. No dia 9 de Março de 2019, no jogo do CN2 Sénior – 2ª Fase, Apurados N/C, disputado no campo do RCMB, na Moita-Anadia, entre esta equipa e o Braga Rugby, aos 17 minutos da segunda parte, na sequência de um ruck, o atleta Vasco Rafael Simões Gomes, ora recorrente pontapeou um jogador adversário, que se encontrava no chão, na zona do braço.

4. Em sede de procedimento disciplinar, depois de apreciados os factos, a resposta à nota de culpa, bem como a demais prova documental e testemunhal, decidiu o CD aplicar ao ora recorrente a sanção de seis (6) semanas de suspensão, atendendo à gravidade da conduta praticada, tal como prevista no artigo 26.º, alínea d)-1 do RD.

5. Resulta dos n.ºs 1 e 2 do artigo 10.º do RD que as sanções disciplinares são aplicadas em face do relatório do árbitro ou em resultado de inquérito realizado com base em participação de qualquer membro dos órgãos sociais da FPR, sendo que, nos termos do artigo 11.º do mesmo Regulamento, quando cometida uma infração disciplinar na área de jogo, o árbitro deve descrever pormenorizadamente no espaço destinado ao «relatório complementar», inserido no verso do Boletim de Jogo ou em aditamento ao mesmo, os factos ocorridos, as circunstâncias que os acompanharam, os efeitos provocados e a decisão tomada, requisitos a que foi dado cumprimento conforme resulta da documentação existente no processo.

6. Mais refere o n.º 3 do mesmo preceito que o clube visitado deve obrigatoriamente, em qualquer circunstância, haja ou não infrações, disponibilizar meios para o envio do boletim de jogo para a FPR após o fim do jogo. Em caso excecional de impossibilidade deste envio, devidamente relatado no próprio boletim, o árbitro deve assegurar a sua entrega ou envio através de fax ou de correio eletrónico para a FPR, até às 18H00 do segundo dia útil seguinte ao dia da realização do jogo.

7. Como resulta de anteriores decisões, o Conselho de Justiça deve debruçar-se exclusivamente sobre a aplicação das normas regulamentares e de Direito vigentes e não sobre os factos e a sua prova, cumprindo apreciar o fundamento do recurso interposto pelo ora recorrente que assenta, no seu todo, na repetição do já apresentado na nota de culpa, registando-se que não se encontra uma única palavra que conteste a conduta de que é autor, relatada pelo árbitro e apreciada e decidida pelo CD, ou seja, o pontapear um jogador adversário que estava no chão.

8. Ou seja, no caso vertente, o ora recorrente não afasta a existência nem a autoria dos factos, ou a forma como foram praticados, factos estes que são graves, refugiando-se apenas em questões de procedimento, sobre o cumprimento ou incumprimento do árbitro da data para o envio do Boletim de Jogo para a FPR.

9. É facto assente que o árbitro não enviou o Boletim de Jogo para a FPR logo após o final do jogo, nem indicou no mesmo as razões porque não o fez. Todavia, remeteu o mesmo à FPR dentro do prazo previsto na segunda parte do n.º 3 do artigo 11.º do RD, a saber, dentro dos dois dias úteis seguintes ao dia em que o jogo se realizou.

10. Sendo desconhecido se existiram razões ou motivos que impossibilitaram tal envio logo após o jogo, não alega o ora recorrente, nem sequer disso procurou fazer prova, de que o RCMB tinha à disposição e disponibilizou ao árbitro os meios necessários para o envio do Boletim de Jogo, pelo que, além de se tratar de uma mera irregularidade de procedimento, face ao previsto no RD, que se considera sanada, ainda assim aquele remeteu, no prazo regulamentar, o aludido Boletim à FPR. O alegado pelo recorrente é situação que não pode servir de justificação para procurar eximir-se às consequências da prática dos factos, nem preclude a possibilidade do exercício da ação disciplinar pelo CD, e muito menos colocou em crise a possibilidade de exercício dos direitos do então arguido, nomeadamente o direito ao contraditório.

11. A par do que antecede, não relevam também as alegações de violação do princípio da segurança pública ou da proteção da confiança já que, no caso concreto, estamos tão só perante um alegado atraso – que não se verificou - do envio do Boletim de um jogo à FPR. Aliás, questionamos se esse atraso no envio seria um facto suficientemente grave que permitiria a não apreciação em sede disciplinar da conduta do autor, o ora recorrente, que ficaria sem punição pela prática de facto grave. Não entende este Conselho que tal possa ser admissível.

12. Não deve confundir-se um pretenso atraso do Boletim de Jogo com uma hipotética violação do princípio da segurança jurídica – com transcreve o ora recorrente, através do qual «o indivíduo tem do direito poder confiar em que os seus atos ou às decisões públicas incidentes sobre os seus direitos, posições ou relações jurídicas alicerçados em normas jurídicas vigentes e válidas por esses atos jurídicos deixado pelas autoridades com base nessas normas se ligam os efeitos jurídicos previstos e prescritos no ordenamento jurídico…», nem, sequer, uma violação do princípio da confiança, entendido, na transcrição que é feita pelo mesmo, que exige «…fiabilidade, clareza, racionalidade e transparência dos atos do poder; de forma que em relação a eles o cidadão veja garantida a segurança nas suas disposições pessoais e nos efeitos jurídicos dos seus próprios atos».

13. Tal como não lhe assiste razão quando vem alegar uma violação do princípio da igualdade, remetendo para uma decisão do CD, de 18 de dezembro de 2018 que, por sua vez, faz referência aos Acórdãos n.º 35/2015, de 17 de Fevereiro e n.º 38/2015, de 5 de Junho.

14. É imperioso sublinhar que os identificados Acórdãos apenas se pronunciam sobre o prazo para a abertura de inquérito e de processo disciplinar pelo CD (artigo 13.º. n.º 1 do RD) e a caducidade que poderá operar pelo não cumprimento desse prazo, mas não tecem quaisquer considerações sobre os efeitos que decorrem de um atraso do envio do Boletim de Jogo à FPR (artigo 11.º., n.º 3 do RD), sendo, por isso, situações completamente distintas e que não relevam para o caso concreto.

15. Naturalmente que, como alega o ora recorrente, ao socorrer-se de uma frase prevista num dos parágrafos dos aludidos Acórdãos, “a caducidade do procedimento disciplinar determina a extinção do direito do CD de iniciar o procedimento disciplinar, não produzindo a decisão que daí decorre quaisquer efeitos”. Na realidade, o envio do Boletim de Jogo à FPR (artigo 11.º, n.º 3 do RD) e o início da contagem do prazo para determinação da abertura do procedimento disciplinar (artigo 13.º, n.º 1 do RD) têm, por isso, um diferente significado e alcance.

16. Presumem-se verdadeiros os factos descritos pelo árbitro no relatório disciplinar do Boletim de Jogo, cabendo aos autores desses factos afastar tal presunção. No caso vertente, os factos estão suficientemente descritos, conforme é, aliás, reconhecido implicitamente pelo ora recorrente que, em sede de processo disciplinar não conseguiu – nem sequer o procurou fazer – afastar a autoria dos mesmos, repetindo a sua estratégia em sede de recurso, apresentando a mesma fundamentação.

17. Assim, resulta do que atrás foi dito que o processo disciplinar não padece de quaisquer vícios ou nulidades, registando-se tão só uma mera irregularidade no envio do Boletim de Jogo, que deve ser desvalorizada porque em nada afetou os direitos do ora recorrente e se considera suprida, além de que foi feita pelo CD uma correta apreciação e valoração da factualidade.

Decisão

Pelo exposto, decide o Conselho de Justiça negar provimento ao recurso apresentado por Vasco Rafael Simões Gomes, atleta do Moita Rugby Clube da Bairrada, e manter a decisão recorrida que lhe aplicou a sanção de seis (6) semanas de suspensão.

Notifique.

Lisboa, 24 de Abril de 2019

António Folgado (Presidente e relator)
António João Viana
Ricardo Junqueiro
Ana Carvalho Venâncio
 

 
 
 
 
 

     

 

Periodicidade Diária

domingo, 25 de agosto de 2019 – 02:24:39

Pesquisar

 

20 de agosto

2005 - 2019, são 14 anos


- quase 3 milhões de fotos

de cerca de 60 desportos diferentes

 

- aproximadamente 46.000 notícias

de cerca de 225 desportos diferentes

 

- e muito mais
 

tudo

Ao Serviço do Desporto em Portugal

Obrigado aos nossos leitores!

 

 

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...