15 anos ao serviço do Desporto em Portugal

Notícias

COP lamenta ausência do Desporto no Programa de Estabilidade Económica e Social

 

O Comité Olímpico de Portugal (COP) manifestou esta terça-feira junto do Governo a sua discordância quanto ao facto de o Desporto ter ficado de fora das medidas previstas no Programa de Estabilidade Económica e Social (PEES).

 

Numa carta dirigida ao Secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, o COP lamenta que o Desporto, ao contrário de outros sectores de atividade do país, não tenha tido por parte do Governo qualquer orientação sobre um pacote de medidas de proteção à sua sustentabilidade financeira, antes se optando por aceitar a sua inclusão em medidas de caráter económico-financeiro desenhadas para outras realidades que não a desportiva.

 

Num período de enorme delicadeza e incerteza, onde a vasta maioria das modalidades desportivas continuam sem poder organizar competições, ou as organiza à porta fechada, sem receitas de bilheteira, a ausência de uma resposta governamental agudiza as vulnerabilidades de um sector que representa cerca de 2% do PIB europeu e que agora se vê condicionado no desenvolvimento da principal atividade geradora de receitas.

 

O COP recebeu com imensa surpresa o que poderia ter sido uma importante oportunidade para o Desporto ser tratado como uma área sectorial relevante nas orientações políticas nacionais, não o vendo figurar no documento que, no passado dia 7 de junho, foi apresentado sob o nome de Programa de Estabilização Económica e Social (PEES).

 

Neste documento, para além de se ignorar, de forma preocupante, qualquer referência ao Desporto, constata-se ainda que algumas das medidas apresentadas são expressamente financiadas pelas receitas dos Jogos Sociais do Estado, cujo volume de negócio é também gerado por esse produto que, como sector, foi, novamente, ignorado: o Desporto.

 

No entendimento do COP existe uma conclusão óbvia a extrair desta situação: o Governo de Portugal não reconhece ao Desporto suficiente importância política para ser incluído no seu Programa de Estabilização Económica e Social.

 

Poder-se-ia argumentar que o documento trataria apenas de setores transversais muito relevantes no plano económico-social do país. Mas não. Houve escolhas e opções. E se algumas referências sectoriais permitem uma leitura de que são um claro sinal de resposta política a contestações que ocorreram recentemente na sociedade portuguesa, de igual modo a ausência de outras, como o Desporto, espelha a pouca importância política dada ao sector e a falta de preocupação demonstrada para com o risco da sua sustentabilidade.

 

O COP apela ainda a uma reapreciação do assunto e aguarda que a melhoria do PEES ainda seja possível, com a devida inclusão do Desporto como um dos seus beneficiários.

Periodicidade Diária

sexta-feira, 16 de abril de 2021 – 17:47:25

Pesquisar

Como comprar fotos

Reportagens fotográficas em preparação

- 3h do Estoril

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...