14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Novos Campeões Mundiais em Odivelas

 

Terminou o primeiro dia do Campeonato do Mundo de Judo para Cegos e Baixa Visão - Odivelas 2018 que se cumpre até domingo, 18 de novembro no Pavilhão Multiusos de Odivelas.

 

Esta sexta-feira, o dia foi dedicado às categorias -48 kg, -52 kg e -57 kg femininas e -60 kg, -66 kg e -73 kg masculinas. Estiveram 137 Atletas (90 masculinos e 47 femininas) em ação, entre os quais 6 Portugueses:

 

Magnos Nhanco (-66 kg) foi o Judoca Luso melhor classificado. A fazer a sua estreia em Campeonatos do Mundo, o português começou por eliminar o sul-africano Ndyebo Lamani, por ‘ippon’. Na ronda seguinte, não conseguiu superar o Campeão Paralímpico – Utkirjon Nigmatov, do Uzbequistão. O Atleta do Clube Judo Total voltou às vitórias nas repescagens, derrotando o americano Robert Kim por ‘ippon’. Na segunda ronda das repescagens, Magnus Nhanco cedeu frente a Giorgi Gamjashvili, da Geóriga, terminando num honroso9º lugar.

 

Miguel Vieira (-66 kg) defrontou o experiente Sid Ali Lamri (Campeão Paralímpico em Pequim 2008 e Bronze nos Jogos de Londres 2012), da Argélia, na primeira ronda. Após um combate equilibrado, o argelino alcançou a vitória por ‘ippon’. O Judoca Paralímpico regressou aos tapetes nas repescagens, mas não conseguiu superiorizar-se ao australiano Wayne Phipps.

 

Henrique Sousa (-60 kg), Sérgio Mendes (-60 kg), Djibrilo Iafa (-73 kg) e Ruben Gonçalves (-73 kg) não conseguiram ultrapassar os seus primeiros adversários.

 

O Bloco de Finais desta tarde coroou os primeiros Campeões Mundiais: Soohee Choi, da Coreia do Sul (-48 kg), Inna Cherniak, da Ucrânia (-52 kg), Zeynep Celik, da Turquia (-57 kg), Olzhas Orazalyuly, do Cazaquistão (-60 kg), Bayram Mustafayev, do Azerbaijão (-66 kg) e Feruz Savidov, do Uzbequistão (-73 kg).

 

Azerbaijão (4 Medalhas), Coreia do Sul (3 Medalhas) e Uzbequistão (4 Medalhas) dominaram o pódio das medalhas a nível coletivo.

 

Resultados

Femininos

 

Masculinos

 

A Maior Edição de Sempre (Recorde de Participação) do Campeonato do Mundo de Judo para Cegos e Baixa Visão, conta com267 Judocas (172 masculinos e 95 femininos) em representação de 42 Países. A prova marca o início da Qualificação Paralímpica para os Jogos de Tóquio 2020, sendo também a que mais pontos atribui para o Ranking Mundial.

 

Os combates regressam este sábado, às 10h00. O segundo dia é marcado pela Plantação de Árvores por parte de representantes das Entidades Organizadoras e dos Agentes Desportivos (Atletas, Treinadores e Árbitros) na zona envolvente ao Pavilhão Multiusos de Odivelas. Recordamos que Campeonato do Mundo de Judo para Cegos e Baixa Visão - Odivelas 2018 é um EcoEvento. As Entidades Organizadoras pretendem incentivar a adoção de boas-práticas com impacte ambiental, social e económico, como a separação de lixo e a reciclagem.

 

Declarações:

 

João Paulo Rebelo – Secretário de Estado da Juventude e do Desporto

“É uma enorme satisfação receber esta competição em Portugal. Estamos a falar de um Campeonato do Mundo de uma modalidade que já deu bastantes alegrias ao nosso país. Olho com particular satisfação para o facto de ser uma competição para pessoas cegas e com baixa visão. É mais um reforço da estratégia de Portugal de defender o Desporto para Todos. Estes Atletas merecem o reconhecimento de todo o país pelo esforço, dedicação e disciplina que dedicam ao desporto, independentemente de terem alguma limitação, de trabalharem, de estudarem e, muitas vezes, terem treinos bidiários. Os desportistas elevam o nome de Portugal além fronteiras e merecem todo o nosso agradecimento.”

 

Ana Sofia Antunes – Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência

“Penso que estas competições são muito importantes. São uma demonstração de que vale a pena trabalhar o desporto inclusivo. Tive o prazer de estar com o Miguel Vieira há dois anos no Rio de Janeiro e perceber a força que estes atletas têm. Estamos a conseguir trazer para Portugal novas competições, que até agora não tínhamos conseguido por falta de dimensão e valorização desta área. No Rio percebi a diversidade de atletas que já estão na alta competição. No que diz respeito à presença feminina, temos que começar por dinamizar e fazer com que o desporto chegue o mais cedo possível à vida das pessoas. A prática desportiva tem que ser uma realidade desde cedo. Isto não é uma questão de género, se a atividade começar mais cedo, vão aparecer mais homens e mulheres.”

 

 

Periodicidade Diária

sexta-feira, 20 de setembro de 2019 – 07:54:13

Pesquisar

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...