Fernando Pimenta conquista medalha de prata nos Jogos Europeus

 

 

Canoísta de Ponte de Lima termina a apenas 112 milésimos de segundo do lugar mais alto do pódio

 

Fernando Pimenta conquistou a medalha de prata na prova de K1 1000 metros, nos Jogos Europeus, que se disputam em Minsk, na Bielorrússia. Na pista central, o canoísta de Ponte de Lima esteve na frente durante mais de meia prova, mas acabou por terminar no 2.º lugar, a apenas 112 milésimos de segundo de Balint Kopasz. Por volta dos 700 metros, o húngaro atacou e acabou por conquistar a medalha de ouro, com o tempo de 3.30,963 minutos. Aleh Yurénia (Bielorrússia) completou o pódio, tendo terminado a 1,355 segundos do canoísta magiar.

 

No final da prova, Fernando Pimenta, campeão do Mundo de K1 1000 metros e de K1 5000 metros, assumiu tudo ter feito para conquistar o ouro. “Dei o meu melhor, mas, às vezes, isso não é o suficiente”, expressou, antes de apontar aos objetivos imediatos: “Agora, é descansar e pensar no K1 5000 metros. Depois, é trabalhar para o Mundial”. A final da prova de K1 5000 metros da segunda edição dos Jogos Europeus está marcada para amanhã, às 16h30 locais (menos duas horas em Portugal).

 

Em Minsk, Fernando Pimenta alcançou a 87.ª medalha em competições de âmbito internacional e repetiu o feito alcançado em Baku, no Azerbaijão, país onde, em 2015, também obteve a 2.ª posição na prova de K1 1000 metros, lugar que ocupou, igualmente, na distância de 5000 metros de K1.

 

Na canoagem, temos um nível muito elevado e, como se viu hoje, por umas milésimas se ganha e por umas se perde. Agora, é tentar dar tudo por tudo até ao Mundial para chegar lá e tentar tirar o que nos impediu

de ganhar hoje a medalha de ouro”, reforçou o canoísta português, admitindo que a final da prova de K1 1000 metros foi “um pouco estranha” e assumindo que não foi a sua melhor saída e que, posteriormente, não conseguiu destacar-se do húngaro.

 

Tentei algumas vezes ganhar a “frente” sem me desgastar muito e, depois, nos últimos 300 metros, ele acelerou e ganhou quase um barco, cerca de cinco metros. Sabia que não podia acelerar naquele momento, seria demasiado cedo para mim, mas, nos últimos 200 metros, voltei a acreditar, ataquei com tudo e ainda pensei que fosse possível ganhar até aos metros finais...”, resumiu, em declarações à Agência Lusa, o atleta de Ponte de Lima.

 

Pimenta admitiu que “custa perder por tão pouco”. “Mas estou ciente de que fiz tudo o que tinha a fazer”, considerou.

 

O Campeonato do Mundo de Velocidade, que dita o apuramento olímpico para Tóquio 2020, vai decorrer em Agosto, na Hungria, e o campeão português sabe o que quer. “O melhor momento da época está para vir. Aí, espero chegar na melhor forma da época”, frisou, antes de apelar aos compatriotas para que apoiem os desportistas lusos em todas as competições, “e não apenas nos dias de medalhas”, considerando que sempre que um atleta entra em competição “leva todos os portugueses no coração”.

 

 

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...