13 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Valery Rozov fez história com o salto mais alto de sempre

 
Numa altura em que se assinala a efeméride dos 60 anos da primeira conquista do Monte Evereste, o russo Valery Rozov estabeleceu um novo recorde do Mundo - com o mais alto salto de BASE Jump alguma vez realizado. Foi a partir dos 7,220 metros de altitude da encosta norte da maior montanha do Planeta que este aventureiro de 48anos concretizou um salto particularmente arriscado.
 
 
Nos últimos anos o russo Valery Rozov, uma das maiores referências internacionaisdo mundo do pára-quedismo, tem sido notícia frequente pelas mais ousadas proezas. Em 2009 as imagens do salto que realizou dentro de um vulcão em actividade,noextremo leste da Península de Kamchatka, espantaram o mundo. Um ano depois rumou aos cenários brancos do ártico para voltar a fazer história, em Ulvetanna. Combinando sessões de escalada de grande exigência técnica, Rozov voltou a desafiar com sucesso os recordes estabelecidos com um salto a partir de 6,420 metros de altitude nos Himalaias(Shivling). Na verdade tratou-se da preparação para o desafio que só agora foi tornado público.
 
O salto do Monte Evereste - datado do passado dia 5 de maio - é o resultado de quatro anos de preparação,acabando por destacar-se como o mais arrojado entreos mais de 10 mil saltos de BASE Jump assinados pelo russo. Para o conseguir, Rozov contou com o apoio de uma vasta equipa e usou um fato especialmente concebido para as condições extremas desta aventura. A chegada ao local do salto implicou uma subida de quatro dias pelo lado norte da montanha em território chinês.
 
Nos 7.220 metros de altitude as temperaturas negativas(-18ºC) e o ar rarefeito constituíram os maiores obstáculos, com Rozov a necessitar de muito mais tempo do que o habitual para fazer a transição entre a queda livre e o voo.
 
Ultrapassada esta fase inicial, Valery Rozov realizou uma queda livre de quase um minuto a mais de 200 quilómetros por hora, aterrando depois em segurança no glaciar de Rongbuk – a 5,950 metros de altitude; “Só quando voltei para casa é que me apercebi da dureza física e mental a que estive sujeito neste salto”, recorda o russo em jeito de balanço.
 
 
Créditos fotográficos
TS: Thomas Senf | Red Bull Contentpool
DK: Denis Klero | Red Bull Contentpool
 
 

Periodicidade Diária

terça-feira, 16 de julho de 2019 – 02:33:44

Pesquisar

Vamos ajudar a Oksana

Maryna Sribnyak
IBAN: PT50 0035 0614 0000 9327 930 65
SWIFT: CGDIPTPL
clicar na imagem para saber mais

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...