18 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Manuel Gião: Perdemos o título, mas ganhámos uma equipa

Manuel Gião chegava à temporada de 2023 como campeão do Iberian Supercars Endurance e do Campeonato de Portugal de Velocidade, esperando defender os seus ceptros. No entanto, um conjunto de contrariedades impediram-no de se bater pelos títulos deste ano, muito embora tenha evidenciado competitividade. Ainda assim, o piloto de Vila de Rei aponta a conquista de um bem maior.
 
Quais eram as tuas expectativas para a temporada de 2023, com a tua participação no Iberian Supercars Endurance e no Campeonato de Portugal de Velocidade?
Manuel Gião: Sinceramente, esperava lutar pelos títulos. Sabia que 2023 iria ser ainda mais competitivo devido à entrada de novas equipas e pilotos internacionais. Tinha um Mercedes AMG GT4, que é um dos carros mais competitivos da categoria, um excelente companheiro de equipa, que era o Carlos Vieira e uma boa equipa, a RACAR Motorsport. Depois, tive ainda outro colega de equipa muito forte, o Roberto Faria, que veio da FIA Fórmula 3, e foi extremamente rápido assim que entrou em pista. Tínhamos tudo para discutir os primeiros lugares em todas as corridas, mas diversas contrariedades técnicas impediram-nos de lutar pelos nossos objectivos, muito embora tivéssemos performance para isso.
Foi notoriamente uma temporada difícil para ti, mas qual foi o maior desafio da temporada?
Manuel Gião: Não foi propriamente um desafio, penso que 2023 a sorte não esteve do meu lado. Recordo que na segunda prova em Jarama arrancava da pole-position e, quando liguei o carro para me posicionar na grelha de partida, a bomba de gasolina não funcionou. Enfim, foi um ano em que me aconteceu este tipo de situações, mas quando estávamos em pista lutámos sempre pela vitória.
 
Qual foi o melhor momento e o momento mais despontante da temporada?
Manuel Gião: O melhor momento foi a vitória na GT4 Pro, em Vila Real, que foi sem dúvida o evento do ano em termos de espectadores, organização e espectáculo. Foi uma corrida dura, com um ritmo elevado, mas conseguimos ser os mais fortes. O último fim-de-semana, no Estoril, onde ainda tinha matematicamente possibilidades de discutir o título do Campeonato de Portugal de Velocidade foi difícil de gerir. Estávamos muito competitivos e seguros de que poderíamos estar, uma vez mais, na luta pelas vitórias, como já acontecera em Vila Real e em Jerez, mas nem sequer saímos da boxe, devido a problemas de alimentação. Foi muito frustrante e um final desapontante para uma época muito desafiante.
Que balanço fazes da temporada?
Manuel Gião: Foi uma temporada com altos e baixos, tendo a RACAR Motorsport e eu aprendido muito com os problemas sucedidos durante este ano. Por vezes, aprendemos mais com as situações menos conseguidas, para que no futuro não se repitam. A RACAR Motorsport é uma equipa que teve um crescimento e um desenvolvimento muito grande este ano e para 2024 vai estar muito forte em várias frentes, tanto a nível ibérico como europeu. Perdemos o título, mas ganhámos uma equipa mais experiente e coesa.
 
Quais são os teus planos para 2024?
Manuel Gião: Para 2024 espero voltar a participar no Iberian Supercars e no Campeonato de Portugal de Velocidade, dado que estes são os campeonatos mais importantes da Península Ibérica. Vamos trabalhar para lutar por ambos os títulos, repetindo os resultados de 2022.
 

Periodicidade Diária

segunda-feira, 15 de abril de 2024 – 03:01:35

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...