18 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Nova edição do Conselho de Cidadãos de Lisboa

 
London School of Economics vai estudar o Conselho de Cidadãos de Lisboa
 
3.ª edição realiza-se nos dias 6 e 13 de abril com foco na habitação, o acesso à saúde, a imigração, os jovens e os idosos, e as pessoas em situação de sem-abrigo
 
Nos dias 6 e 13 de abril decorre em Lisboa mais uma edição do Conselho de Cidadãos, o projeto que convida os lisboetas a contribuir para melhorar a capital com as suas ideias e propostas.
 
Esta 3.ª edição será acompanhada por investigadores da London School of Economics (LSE), que vai estudar o modelo desenhado pelo executivo de Carlos Moedas, que já foi distinguido pela OCDE como uma boa prática internacional.
 
À LSE, juntam-se também investigadores do Instituto de Políticas y Bienes Públicos, uma das principais instituições académicas em Espanha, e do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. A equipa de investigação vai avaliar o contributo do projeto para a qualidade da democracia local e da participação cívica.
 
O Conselho de Cidadãos reúne 50 munícipes selecionados por sorteio de forma a espelhar a sociedade lisboeta em termos de idade, género, freguesia de residência, nível de escolaridade e situação profissional. 
 
“É muito raro podermos ter uma diversidade tão grande de pessoas na mesma sala a colaborar entre si para melhorar a cidade. É sempre uma experiência única e muito necessária nos tempos que correm. Precisamos de criar novos espaços de diálogo e entreajuda, e não de fricção e tensão permanentes como muitos tentam provocar”, afirma o presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Carlos Moedas. 
 
O modelo do Conselho de Cidadãos prevê que os 50 munícipes que participam nos dois dias de debate possam eleger dez embaixadores, que vão continuar a trabalhar com a Autarquia para ajudar a implementar as propostas dos cidadãos. Esta é uma forma de assegurar que existe um verdadeiro impacto na cidade, algo que não acontece noutros modelos de assembleias de cidadãos.
 
Das duas edições anteriores foram selecionadas oito propostas que a CML se comprometeu a implementar, das quais metade já se encontra concluída, duas estão em estado avançado, e duas em fase inicial devido à complexidade técnica que implicam.
 
“É um balanço muito positivo, que mostra que o projeto está a ter impacto, que as pessoas têm boas ideias e que vale a pena participar”, reforça o presidente da CML.
 
A Câmara Municipal de Lisboa optou mais uma vez por contratar entidades externas para realizar a seleção dos participantes e para moderar e orientar os debates, garantindo assim a transparência e imparcialidade do processo. 
 
A iniciativa representa também uma oportunidade de encontro entre os serviços municipais e os cidadãos, já que são convidados representantes e técnicos de diferentes áreas para responder a perguntas e desafios lançados pelos participantes que procuram compreender melhor o funcionamento da Autarquia.
 
“O modelo que escolhemos para o Conselho de Cidadãos é único no mundo. Não se trata apenas de ouvir as pessoas, mas sim de trabalhar com elas para resolver os problemas da cidade. É uma forma diferente de fazer política, em que damos mais valor à experiência e opinião de cada cidadão, longe da política partidária e tradicional”, sublinha Carlos Moedas.
 
A 3.ª edição do projeto tem como tema “Como construir uma Lisboa que cuida?” e vai colocar em discussão desafios fundamentais para a cidade como a habitação, o acesso à saúde, a imigração, os jovens e os idosos, e as pessoas em situação de sem-abrigo.
 

Periodicidade Diária

domingo, 14 de abril de 2024 – 07:21:04

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...