14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

Notícias

Opinião - Da analogia ao escândalo: os 50 km marcha em Portugal

 

A reflexão que se segue parte de uma realidade político-económica nacional para chegar a um caso que a marcha atlética vive actualmente em Portugal.

 
No que diz respeito à organização da sociedade, o espectro político português divide-se quanto ao papel que o Estado deve desempenhar na economia. Para uns, o Estado deve limitar-se ao papel de regulador da iniciativa privada; para outros, o Estado deve ter um papel central, assumindo o controlo dos sectores mais importantes da economia.
 
Estes últimos têm, nos últimos anos, argumentado que o sector económico do Estado tem sido objecto de enfraquecimento premeditado, para que os defensores do predomínio empresarial possam afirmar que o Estado é incapaz de gerir as suas empresas, justificando-se por isso a sua privatização. Segundo esses, fica, assim, aberto caminho à transferência para a exploração privada de grande parte do que tem sido de propriedade pública. Não cabe no espaço do blogue «O Marchador» o aprofundamento da reflexão sobre o tema da propriedade e da exploração dos meios económicos, mas esta formulação sugere uma analogia com o que nos últimos tempos tem ocorrido com a questão dos 50 km marcha e com a discussão à volta da manutenção ou da extinção dos respectivos campeonatos nacionais.
 
A Federação Portuguesa de Atletismo (FPA) decidiu em 2014 que iriam acabar os campeonatos nacionais da distância mais longa do programa olímpico do atletismo (50 km marcha), não os contemplando no calendário de 2015. Logo a decisão teve resposta dos marchadores: atletas (no activo ou não), treinadores, dirigentes, juízes, familiares, amigos – todos a uma só voz fizeram ver a irrazoabilidade da decisão da FPA, que não teve alternativa e tratou de voltar atrás, repondo no calendário um evento que para lá entrou há 30 anos.
 
Mas, ao decidir manter o campeonato nacional de 50 km marcha, a federação não diligenciou no sentido de promover a prova, optando por escondê-la (isto é, não a publicitando), parecendo empenhada em garantir que não tivesse sucesso. Acabaria por ter à partida seis concorrentes, quatro dos quais não a concluíram. Foi quanto bastou para que se reforçasse aquilo que alguns, pouco ou nada empenhados no desenvolvimento da marcha atlética no país, afirmam ser a falta de interesse ou de qualidade para que se mantenham os campeonatos nacionais dos 50 km.
 
Neste processo terá tido papel de relevo (ou pelo menos responsabilidade inegável, fosse pela acção ou pela omissão) o treinador nacional de marcha, a única pessoa da estrutura federativa com responsabilidades específicas sobre esta disciplina olímpica do atletismo. Tem sido um dos defensores da ideia de que os campeonatos de 50 km são muito exigentes do ponto de vista organizativo (curiosa questão, que parece remeter mais para a preguiça do que para o verdadeiro empenho na missão), pelo que devem deixar de existir por escassez de interessados e falta de qualidade dos resultados.
 
Segundo constou nos últimos meses e não parece negado (antes pelo contrário, cada vez se confirma mais), o clube criado pelo treinador nacional de marcha vai agora organizar uma prova de 50 km. Não consta que vá candidatá-la a campeonato nacional, assim como não se sabe quando ou onde vá ter lugar. Mas há ecos de que a ideia é mesmo ir em frente.
 
Aqui chegados e perante a estranheza que já se instala no sector em relação a esta questão, cabe fazer algumas perguntas, para as quais seria interessante ter resposta.
 
Como compreender que o treinador nacional de marcha tenha sido um dos defensores da extinção dos campeonatos nacionais de 50 km marcha quando o seu papel deveria ser o de fortalecer a disciplina?
 
Por que razão o treinador nacional de marcha aparece agora ligado à criação de uma prova de uma distância cujos especialistas ignorou durante os anos que já leva no cargo federativo?
 
Com que objectivo avança para a realização de uma prova de 50 km organizada pelo clube que fundou enquanto treinador nacional de marcha, depois de nada ter feito para defender o campeonato nacional da distância, como seria seu dever?
 
Como compreender que uma prova de 50 km seja de difícil organização enquanto campeonato federativo mas já não o seja enquanto prova particular?
 
Quais os interesses por trás desta opção?
 
O que vai a direcção da FPA fazer em relação a este assunto, que assume traços de escândalo como nunca antes sucedeu na marcha atlética em Portugal?
 
É aqui que entra a tal analogia com a realidade político-económica: destrói-se um bem comum para lhe dar depois um benefício particular.
 
A única coisa que se espera e deseja é que a FPA tenha mão nesta miséria.
 
 
O Marchador

Periodicidade Diária

domingo, 8 de dezembro de 2019 – 06:07:26

 

 
Feliz Natal e um
 
Próspero Ano Novo
 
 
Boas Festas!
 

 

Pesquisar

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...