Juízes Internacionais de Marcha nos Mundiais de Juvenis

Cali, na Colômbia, recebe de 15 a 19 deste mês de julho a 9.ª edição dos campeonatos mundiais de juvenis em pista, competição destinada a jovens com 16 e 17 anos de idade (nascidos em 1998 e 1999). É a primeira vez que o evento tem lugar num país da América do Sul.
 
 
As provas de marcha dos Campeonatos Mundiais de Juvenis, em pista, vão ter lugar no sábado de manhã, dia 18, a prova masculina, de 10.000 metros, às 9.45 horas, e a feminina, de 5.000 metros, às 11.00 horas (horas locais).
 
 
O português José Dias é um dos juízes internacionais de marcha nomeados pela IAAF para esta competição. O italiano Nicola Maggio será o juiz chefe, detendo o poder individual de desclassificar qualquer atleta que nos últimos 100 metros de prova infrinja de forma muito óbvia a regra, independentemente do número de faltas acumuladas, isto em conformidade com a regra 230.3 (a) do Regulamento Técnico internacional.
 
 
As competições de marcha serão ajuizadas por 6 elementos de outras tantas nacionalidades, todos do nível máximo da Federação Internacional de Atletismo, saídos do painel renovado em outubro de 2014 e que é agora de apenas 26 elementos. Completam a equipa o espanhol Jordi Estruch, o guatemalteco Carlos Barrios, o americano Reginald Weissglas e o mauriciano Jola Moonkess.
 
 
Outros dois oficiais portugueses encontram-se igualmente nomeados pela IAAF para estes campeonatos: José Paulo Moreira que integrará a equipa de Oficiais Técnicos Internacionais, um “expert” na matéria e com largos anos de experiência ao mais alto nível internacional, e o Dr. Pedro Branco na área médica/antidopagem.
 
 
Refira-se, de igual modo, que um dos delegados técnicos que a IAAF designou para supervisionar a competição é o espanhol Luis Saladie, também juiz internacional de marcha. O outro é o brasileiro Martinho Nobre dos Santos.
 
 
Absoluta novidade no panorama das provas de marcha atlética organizadas diretamente pela federação internacional de atletismo será a introdução da regra do “Pit lane”, que já tem sido testada em vários países onde a especialidade tem uma forte implantação.
 
 
Basicamente, a regra que será aplicada nestes mundiais, e nos de juniores, no próximo ano, em Kazan, e na prova de juniores da Taça das Nações, em Cheboksary, consistirá numa penalização de 60 segundos na prova feminina e de cento e vinte segundos na prova masculina, quando a um ou a uma atleta sejam assinaladas 3 faltas, entrando numa área destinada para o efeito onde aguardará pelo cumprimento da dita paragem. Se sofrer uma quarta falta, o atleta será imediatamente desclassificado.
 
 
 
O Marchador

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...