14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Corre, corre, orientista…corre (II)

Passei uma noite péssima. Fui acometido por um sentimento de remorso, que me provocou longas horas de insónia. Tenho a deprimente sensação, que fui o causador da desilusão, que se apoderou duma grande parte dos convidados presentes no jantar de entrega de diplomas pela FPO, na Quinta da Várzea do Sorraia.

O facto dos vencedores dos escalões regionais não terem sido publicamente distinguidos, apenas se deve a um acto de bom senso e não a uma qualquer falta de respeito ou consideração. Imaginem a situação embaraçosa e constrangedora, por parte dos responsáveis federativos, quando tivessem de chamar um “espécie de orientista” para o premiar. Seria um momento de descrédito para a modalidade, o que compreendo sem qualquer melindre. Portanto meus amigos, desculpem lá qualquer coisinha, o culpado da vossa mágoa sou eu. Mas sejam positivos e pensem que para o ano há mais e eu prometo não estar presente, para não atrapalhar a vossa consagração (palavra de “espécie”).

Depois deste momento de penitência, mas francamente terapêutico (o desabafo alivia a alma), avancemos para o essencial e esqueçamos o marginal. Nada melhor para espairecer de uma noite horrível, do que calcorrear um bom mapa, 3.900 metros de percurso e 17 balizas para procurar. Ah!...e novamente correr, correr…muito.

Tinha dado para perceber no dia anterior, que o terreno onde se iria disputar a prova de distância média, seria tecnicamente mais exigente. No entanto, o desnível acumulado revelava-se inexistente, o que se traduzia em más notícias para as cores da “espécie de orientação”. Iríamos ter necessidade de proceder a loucas e constantes correrias e eu provavelmente já não teria combustível suficiente para as voltar a efectuar.

Não tenho dúvidas, que o percurso foi traçado de modo a tentar complicar a vida aos concorrentes, mas das duas uma: ou os actuais atletas estão na sua maioria, bem preparados para este género de provas, ou o baixo relevo e a profusão de caminhos deram hipótese à execução de vertiginosas provas.

Dando continuidade à panorâmica de sábado, a velocidade foi a tónica dominante desta segunda jornada. Não obstante, os pontos estarem colocados de forma mais aglomerada, o que podia facilitar a vida aos que se orientam melhor em detrimento dos sprinters (sonhei que me podia incluir no grupo dos primeiros), na prática não foi isso que aconteceu. No cômputo geral, assistimos à realização de tempos excepcionais, não dando qualquer chance àqueles que se mostraram menos expeditos. O terreno era técnico, sim senhor, mas não chegou para complicar.

Parti apenas com uma preocupação, pastar o mínimo para correr o máximo. Por acaso até nem se poderia considerar uma ideia descabida, mas para o “espécie” as coisas mudam de figura num estalar de dedos. Cedo me apercebi (ponto 2), que em certas zonas, a táctica do traçador se baseou na colocação de pontos demasiado concentrados, referentes a escalões diferentes, que perturbou os menos atentos, gerando alguma confusão e pastorícia pontual. O malandro só me apanhou dessa vez, obrigando-me a perder dois “enraivados” minutos, porque tinha estado a comentar nas partidas com a minha mulher, precisamente essa possibilidade (irra, mereço ser fustigado!).

Após uma parte inicial em área aberta, com a progressão a ser dificultada por reduzidos elementos característicos, onde me desenvencilhei dum razoável número de reentrâncias, passámos para a zona mais arborizada, contendo aqui e acolá alguma vegetação densa, para controlarmos os seis derradeiros pontos.

A prova decorria-me dentro de parâmetros aceitáveis, dado que, se em termos técnicos me estava a sair a contento, na parte física era a surpresa completa – não me recordo de correr com tanto acerto. Motivado e sentindo ainda alguma frescura, corria como um desalmado no encalço do ponto 14 (localizado nuns arbustos), quando esbarro com um prisma que deveria ser meu e não era. Caiu-me ao chão toda a adrenalina (…e mais qualquer coisa, hehe). Fiquei atónito e completamente bloqueado. Analisava o mapa, mas nem o via e apesar de andar por ali muita malta, vou ser sincero, naquele momento recusava-me a perturbar o “silêncio” – depois duma prova a roçar o irrepreensível, não seria o comportamento mais adequado (schiu!).

Depreendi, que com tanta velocidade (de veterano!), devia ter passado a minha baliza sem a ver (ori-miopia), portanto só me restava voltar para trás e tentar de novo. De tão repetitiva, esta é uma situação que me deixa com os nervos em pé, mas era a única solução. Mal me virei, ao fim duns escassos cinquenta metros, lá descortino o desgraçado “138” – tão perto…e tão longe. Sou penalizado de forma inglória com mais dois minutos. Acho que não merecia semelhante castigo, mas enfim…na Orientação é assim mesmo, a desconcentração paga-se cara.

Terminei num sprint de raiva, que vim a verificar nos “splits” estar impresso a azul (hehe), para um tempo a rondar os 42 minutos. Com este registo apenas pude confirmar o que eu já desconfiava, os treinitos que tenho vindo a efectuar estão a dar algum resultado. Pelo menos já vou dando resposta mais condigna, quando me obrigam a correr…correr muito.

Só queria tomar mais um minuto do vosso tempo, para abordar um tema a que já me referi por alto, na primeira parte. Ouvi uns “zunzuns” a criticar a pretensa facilidade dos percursos, nomeadamente os da distância longa. A ausência de relevo muito pronunciado (“pedrolas” nem vê-las), extensas áreas abertas e a existência de um autêntico rendilhado de caminhos, deixou poucas hipóteses ao responsável pelos traçados, que não podendo fazer milagres, “desenhou” os trajectos possíveis.

Agora corrijam-me se estiver errado. Tenho conhecimento que a maioria dos orientistas é oriunda do Atletismo ou pelo menos tem um “fraquinho” por corridas (a bússola é uma chatice, não é?). Sendo assim, não descortino motivo para tanto comentário, estando até convencido que a dupla jornada “caiu que nem ginjas”, no seio dos “atletas”. Pior esteve o “espécie”, que nutre um ódio de estimação pelas “cavalgadas” florestais (e não me queixo!...só em privado, hehe). Já agora, deixem de ser “enganadores” e reconheçam que adoraram estas loucas correrias da Agolada. 

Periodicidade Diária

quinta-feira, 2 de julho de 2020 – 13:02:36

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...