14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

De Campanhã a S. Bento…caminhando com os AFIS

Há convites que não podem nem devem ser recusados.

Um dia destes, recebi um amável convite “electrónico” da parte do nosso “amigo de fim-de-semana” (AFIS) Joaquim Margarido, que ainda não tinha o prazer de conhecer pessoalmente, a provocar-me para uma “excursão” de pedestrianismo, na sua querida cidade de Ovar. Quase sem hesitar, pensei de imediato em estar presente. O que acontece é que estava perante uma super prova. Ou seja, o percurso configurava uma vertente lúdico-cultural, ao dar a conhecer várias freguesias do concelho, mas pressupunha também cerca de 34 quilómetros bem físicos (umas sete ou oito horas a dar ao pernil!).

Entrei em meditação!!! Teria estofo para o semelhante? Seria uma experiência para esquecer ou para mais tarde recordar? Enquanto estava neste vaivém de incertezas e de algum défice de coragem, a minha mulher dá-me uma valente ajuda. A sua “fungadeira” da última semana evolui para uma “senhora” gripe e consigo arranjar uma desculpa esfarrapada, para evitar a mais que provável “tareia”, que o Margarido me estava a oferecer. Não tenho dúvidas que teria sido uma jornada épica (o terminar em padiola também deve ter valor). Com certeza aparecerá nova oportunidade para fazer uma incursão a estas altas quilometragens, enquanto isso vou tentar frequentar uns “workshops”.

Logo de seguida, este contacto despoletou outro, desta vez da minha parte, a penitenciar-me pelo meu acto de cobardia e disponibilizando-me para uma eventual participação noutra iniciativa do género. E como os AFIS´s não sossegam, desde logo me comprometi a participar na 48ª caminhada do grupo, no dia 4 de Novembro, percurso a desenrolar-se entre as pontes do Freixo e da Arrábida, na mui nobre cidade “inbicta”. Pronto…já me sentia melhor com a minha consciência (o remorso podia tirar-me o apetite), mas sempre na expectativa, de que não acontecesse nenhum imponderável, que me impedisse novamente de marcar presença.

E assim, lá tive de madrugar nesse belo domingo de Outono, para apanhar um comboio antes das oito da “matina” (recordando velhos tempos) e me juntar aos meus quarenta companheiros de caminhada, que já vinham de viagem (alguns devem ter feito “directa”, hehe). Como “quem corre por gosto não cansa”, não fiz qualquer sacrifício, bem pelo contrário, foi com enorme prazer que me associei a esta malta (com as senhoras em supremacia) oriunda de vizinhas terras vareiras.

O trajecto foi alvo de alguns ajustes, pelo que o seu início passou para Campanhã, não tendo terminado na Arrábida, mas sim em S. Bento, depois de um desvio pela Restauração. Pelas minhas contas devem ter sido uns sete ou oito quilómetros. Uma viagem diferente entre estas duas estações ferroviárias, em que os longos, húmidos e escuros túneis foram substituídos pela aprazível e saudável marginal do Douro.

O ritmo imposto foi “piano”, do tipo turístico, já que tivemos o privilégio de contar com um verdadeiro guia, que nos ia fornecendo umas dicas sobre os locais que íamos passando, nomeadamente as seis pontes ribeirinhas. O Joaquim Margarido trazia a lição bem estudada e não deixou nada ao acaso, partilhando com o grupo algumas curiosidades acerca destas obras de arte. Os caminheiros só têm de ficar gratos.

Com um despertar de dia a lembrar tempos estivais, em simpática companhia, perante paisagem soberba, os metros foram sendo devorados num “piscar de olhos”. Não obstante ser domingo, fomos encontrando outros madrugadores, nas mais variadas práticas desportivas, onde pontificaram as dezenas de ruidosos pescadores que, junto à D. Maria, participavam num concurso. Só não consegui perceber, se a prova era de pesca ou de quantos minutos se consegue manter a linha estendida a dar “banho à minhoca” (é necessária muita paciência). Peixe não vi nenhum, mas vasilhame perfilado não faltava e ainda não eram nove horas! (hehe)

Chegados ao fundo da Restauração, eu e a minha mulher resolvemos dar um pouco de “corda às sapatilhas”, fazendo a “escalada” até ao Jardim do Carregal em ritmo bem mais pesado (até o eléctrico teve dificuldade em nos ultrapassar), em companhia do nosso anfitrião, para justificarmos as camisolas amarelas (cor da AFIS) que muito gentilmente nos foram oferecidas. O intuito deste último “forcing”, foi para não deixar dúvidas a ninguém da nossa qualidade como caminheiros, porque como orientistas é o que se sabe…espécies e pouco mais.

Enfim, um excelente passeio, por zonas conhecidas, que vale sempre a pena revisitar, e mais uma porta aberta para a prática do exercício físico e o granjear de novas amizades, que com certeza se irão solidificar num futuro próximo, assim estes “Amigos de Fim-de-Semana” se envolvam em mais organizações.

  

Periodicidade Diária

quinta-feira, 2 de julho de 2020 – 13:16:21

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...