14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Já não há milagres (I)

Continuo com a mania (ou sonho?) de que um dia destes me tornarei um orientista de corpo inteiro. Para dar asas a essa ilusão, no intuito de aprender alguma coisa e sem ninguém dar por isso, ousei misturar-me com os “craques” no Campeonato Nacional de Distância Longa, que decorreu em Estremoz…uops!...Évoramonte…uops!... Arraiolos…para ser sincero, nem sei bem qual a localidade. Alentejo e pronto!

O programa de festas era composto por quatro dias, mas apenas marquei presença em três e acabei a participar só em duas provas (e bastaram!), para não dar muito nas vistas ou poderia correr o risco de ser impedido de concorrer (afinal ainda sou um “espécie”).

Como aperitivo da “grande farra” que veio a ser a prova rainha, propuseram-nos no dia anterior o mapa de Veiros, para nos irmos ambientando à canícula alentejana e simultaneamente corrermos em busca dos habituais prismas. Correr atrás deles foi mesmo o que veio acontecer a alguns, mas isso daria para um apontamento especial (hehe).

A etapa de distância média, que consistia em quase cinco quilómetros para o meu escalão, apresentou-se demasiado dura, se atendermos aos 9.000 metros que teríamos de suportar no dia seguinte e com um desnível bem mais acentuado. Tudo isto a somar ao facto de que ando preguiçoso e me tenho baldado aos treinitos. Ora perante este quadro, milagres só mesmo no tempo da “senhora das rosas”.

Contrariamente à opinião da maioria, as minhas queixas sobre o que se passou, incidem sobretudo no meu défice de preparação para provas mais exigentes, porque o restante deixo para os responsáveis analisarem. Mas gostaria que os mais afectados com as anomalias meditassem, sobre a dificuldade em colocar de pé uma prova desta envergadura. Se a malta do COA não teve melhor desempenho, foi com certeza porque cometeram algum erro de avaliação e depararam com uma tarefa bem mais complicada, do que á primeira vista poderiam imaginar e… milagres são coisas do passado.

Debaixo duns estorricantes 28º dei início à minha actividade de uma hora e vinte e sete minutos, que consistiu basicamente em adivinhar se as zonas verdes do mapa tinham passado a intransponíveis ou se tinham desaparecido; se as cercas estavam completas, derrubadas ou retiradas; e se os pontos por acaso não se tinham “afastado” para um local mais frondoso, para fugirem à força do calor.

Calhou-me em sorte o não ter de perseguir o célebre ponto “139”, que segundo rezam as crónicas mudou de lugar uma quantidade de vezes (há quem acredite que ele estava vivo). Só assim compreendo os vinte minutos que a minha “infeliz” mulher levou para o agarrar (ele corria mais que ela; só o venceu pelo cansaço, hehe).

Apesar de me ter safo daquela feroz perseguição, tive imensa dificuldade em distinguir no terreno os verdes do mapa (ainda se fossem encarnados). Depois, como apanhei muito sol na “moleirinha”, o ponto 10 sempre me pareceu estar colocado antes da cerca e não depois (mas qual cerca? Estou com visões ou quê?). Para mal dos meus pecados, enquanto andava na minha pastorícia “cercal”, adivinhava a objectiva do nosso “paparazzi” bem assestada na minha nuca (só passo vergonhas). Espero que ele não publique a angústia do “espécie” na busca incessante da cerca que “estava lá…mas não devia” (hehe).

Tentei dentro das minhas limitadas capacidades técnicas, interpretar as rasteiras que o mapa me ia pregando, sentindo uma pontinha de inveja por não ter nenhum ponto “fugitivo”. Pois é, os outros têm e eu não…snif…snif… - “Ai é? Também queres um? Pois procura o “108” na árvore à direita do trilho, que se tiveres sorte encontrá-lo-ás numa árvore à esquerda (como quem toca à campainha do vizinho) ”. Perceberam o que aconteceu? Digamos que foi uma variante de orientação: uma “oricharada” em 18 episódios.

Viveram-se momentos diferentes, mas não deixei de tirar partido das situações menos ortodoxas, isto é, elevei os meus níveis de fair-play (ainda estou com azia), aumentei os meus conhecimentos em estevas, carrascos e afins (arranhões não faltam) e terminei sem acidentes de percurso (fugi in extremis ao “mp”).

O único (?) problema foi mesmo o desgaste provocado pelo calor, que associado a uma quilometragem, se calhar demasiado extensa para quem iria ter uma intensa “guerra” na manhã seguinte, me deixou com o físico meio debilitado.

 

Periodicidade Diária

domingo, 22 de setembro de 2019 – 03:34:41

Pesquisar

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...