14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

XX Meia Maratona Internacional de Setúbal

 
Com mais de seis centenas de atletas a XX Meia Maratona Internacional de Setúbal, organizada pelo Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Setúbal e com apoio da autarquia concretizou mais uma edição. Vinte anos a fazer "história" no calendário desportivo dos amantes da "Corrida".
A  partida e chegada aconteceram, como habitualmente, na Avenida Luísa Todi em ambiente festivo, com bandas de música a animar atletas e acompanhantes.
Setúbal, soube receber e mimar. A par da Meia Maratona, realizou-se uma caminhada, alternativa sempre agradável a quem não corre grandes distâncias, mas gosta de praticar exercício e acompanhar familiares e amigos. Promover a prática do desporto é, de facto, criar contextos e circunstâncias apelativas à quebra das amarras da inércia. Diversificar a oferta é promover a integração, é criar oportunidades de alteração de comportamentos, é apresentar opções viáveis de prática desportiva a um vasto leque de população. Setúbal é, a par de outras cidades, promotora de estilos de vida saudáveis.
No final da prova houve distribuição de prémios alusivos ao evento.
Simpaticamente, um golfinho sorria...
 
Esta foi a minha segunda Meia Maratona. A primeira aconteceu no dia 2 de Dezembro de 2007, três meses depois de ter deixado de ver os olhos castanhos e imensos da minha filha. A ela entreguei-lhe a medalha. Ainda lá continua, entrelaçada na lápide… Nunca mais tinha voltado a correr uma Meia.
Ontem, dia 10 de Maio, uma data cheia de memórias dolorosas, quis espantar fantasmas e brindar a vida, correndo.
Corro há três anos. Continuo a sentir-me deslumbrada pelo mundo da corrida, pela sua simplicidade, pela alegria natural que brota dos corações que correm, da energia que transborda de corpos suados e invade as ruas, trepa paredes dos prédios, lança-se às águas dos rios, alcança o oceano, escapa-se pelo horizonte distante e descansa no cume das montanhas. Tudo é belo e mágico. O mundo transforma-se em dia de corrida. Não, talvez sejam as pessoas que se transformam e têm olhares novos para este mundo velho…?
O olhar descansa do cansaço da vida, das atribulações, das dores, dos medos, da fome e abre-se à paz que jorra em passos de corrida.  
Um pouco de receio e muita expectativa, creio ser o que se sente à partida para uma Meia Maratona. Eu senti. Senti também uma alegria genuína por estar ali, entre amigos, ter pernas para andar e correr, olhos para ver o branco e o azul do nosso equipamento, os verdes e os laranjas dos outros, o céu cinzento e a espuma do mar, ter ouvidos para ouvir as risadas esparsas deste ou daquele que passava…Mostrava também uma outra alegria, uma mais falsa, mais exacerbada, dançando e brincando a um ritmo tão contrário ao sentir deste dia 10 de Maio. Mas essa foi outra corrida que eu perdi, que ela (Margot) perdeu, mas que continuo a querer correr. Todos os dias e, simbolicamente, em cada dia de corrida. Já não procuro resposta à pergunta: “Porque corro”. Corro porque sim.
E assim alcancei mais uma Meia Maratona. A um ritmo leve, por entre bairros citadinos e estradas portuárias, fui vencendo quilómetro após quilómetro.
Concluí a prova muito bem, sem cansaço, sem angústia, sem frustração por um tempo acima das duas horas, apenas com pena de ter terminado. Foi um prazer imenso enquanto durou. Depois fica o travo quase amargo de ter terminado depressa. Era bom que durasse… Penso que, ao anteciparmos estes momentos, misto de prazer e tristeza, desenvolvemos mecanismos de defesa. Assim, em cada prova, planeamos a prova seguinte. Sonhamos com outra e ainda corremos esta... Programamos treinos conjuntos que, muitas vezes, nem se chegam a cumprir. Recordamos provas passadas. Vivemos entre o que se correu e o que se irá correr. Vemo-nos a correr provas longínquas… Estranho, mas delicioso. Estranha e deliciosa é esta forma de vida. Em busca da felicidade…encontrada, simplesmente, numa corrida… 
Lembrando o grande poeta Manuel Maria Barbosa du Bocage… 
Quantas vezes, Amor, me tens ferido?
Quantas vezes, Razão, me tens curado?
Quão fácil de um estado a outro estado
O mortal sem querer é conduzido!
 
Tal, que em grau venerando, alto e luzido,
Como que até regia a mão do fado,
Onde o Sol, bem de todos, lhe é vedado,
Depois com ferros vis se vê cingido:
 
Para que o nosso orgulho as asas corte,
Que variedade inclui esta medida,
Este intervalo da existência à morte!
 
Travam-se gosto, e dor; sossego e lida;
É lei da natureza, é lei da sorte,
Que seja o mal e o bem matiz da vida.
                                                         Bocage
 
Ana Paula Pinto
 

Periodicidade Diária

sexta-feira, 20 de setembro de 2019 – 14:43:44

Pesquisar

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...