18 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Circo contemporâneo é para todos: masterclasses, oficinas e workshops

Festival apresenta diferentes atividades abertas à comunidade, incentivando maior proximidade do público às artes performativas
 
Desafiar a destreza para o malabarismo, descobrir diferentes exercícios de dança, testar limites com acrobacias aéreas, treinar a manipulação de diábolo ou compreender os processos de criação e a relação do circo com o espaço público. A par dos espetáculos programados, estas são apenas algumas das sugestões do Vaudeville Rendez-Vous, festival de circo contemporâneo que assinala a sua 10.ª edição e está de regresso às cidades do Quadrilátero Cultural – Barcelos, Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão. De 16 a 20 de julho, são várias as masterclasses, oficinas e workshops disponíveis gratuitamente para a comunidade, destacando-se ainda uma Mesa Redonda e uma Sessão de Pitching orientada para programadores e agentes artísticos.  
 
Agilidade entre “movimento e objeto” e “voos rasos”
Impressiona pelos movimentos, ritmo e pelos objetos manipulados. O malabarismo está presente em espetáculos e performances de entretenimento há milhares de anos, sendo facilmente associado ao circo. Recrutando agilidade e precisão, esta é uma das disciplinas que o Vaudeville Rendez-Vous quer aproximar do público, desafiando-o a participar na “Oficina de Malabarismo”, que vai decorrer em Barcelos, no Parque da Cidade, entre as 14h30 e as 17h30, nos dias 16 e 17 de julho. Com o objetivo de desafiar a curiosidade e a destreza entre o movimento e o objeto, a atividade está pensada para todas as idades e níveis de experiência.
Também adaptada a miúdos e graúdos, com mais ou menos experiência e “coragem”, está a oficina de acrobacia aérea “Voos Rasos”. Também programada para os dias 16 e 17 de julho (entre as 14h30 e as 17h30), em Guimarães (Jardim do Paço dos Duques de Bragança), a atividade dará aos participantes a oportunidade de serem acrobatas aéreos, com recurso a diferentes aparelhos de circo. Incentivando a realizar “voos altos” ou exercícios mais próximos do solo, o workshop decorre num espaço seguro, desenhado para acolher todos os que querem desafiar a gravidade, permitindo a cada participante a experiência singular de voar.
 
Oficina de dança para exploração e criação do movimento expressivo
Os dois primeiros dias do Festival, 16 e 17 de julho, ficam marcados por mais uma oficina, desta feita a decorrer em Braga, no Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa. Mais uma vez desenvolvida para participantes com ou sem experiência em artes performativas, a oficina “Movimentado” vai abordar diferentes exercícios de exploração e criação de movimento expressivo. Com a ajuda da musicalidade e das particularidades da individualidade criativa de cada participante, pretende-se que os exercícios trabalhados funcionem como “viagens a solo”, mas de “forma coletiva”.
 
Dominar o Diábolo com técnicas variadas
O diábolo vai ser o centro das atenções da oficina Sòl, que vai decorrer em Famalicão (na Praça D. Maria II), nos dias 16 e 17 de julho. Acessível a todos os curiosos, o momento está adaptado a iniciantes e praticantes experientes, focando-se em várias técnicas. A oficina pretende dar a oportunidade de explorar e enriquecer a prática do diábolo, começando pelas bases e progredindo para técnicas mais avançadas, com o apoio de métodos de ensino acessíveis e eficazes. A atividade terá a duração de três horas, iniciando-se às 14h30.
Refletir sobre processos de criação no circo contemporâneo
Diretamente do espetáculo Idiòfona – uma das várias estreias nacionais que o Vaudeville apresenta, e que poderá ser vista em Guimarães e Barcelos, nos dias 18 e 20 de julho, respetivamente –, o artista Joan Català vai promover uma masterclass onde vai partilhar os seus processos de criação e refletir sobre a relação do circo contemporâneo com o espaço público, com artistas, assim como com outros públicos profissionais do circo e artes de rua. A sessão vai decorrer no dia 19 de julho, às 15h00, ocupando o Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (Braga).
 
Pensar o Circo Contemporâneo e aproximar artistas e programadores
Como é já habitual na programação do Vaudeville, o Festival conta com uma “Sessão de Pitching”, no dia 18 de julho, em Barcelos. Apenas reservada para programadores e agentes artísticos, esta sessão alinha-se com a missão do Vaudeville enquanto dinamizador do circo contemporâneo e do incentivo à criação e apresentação de performances. Procurando aproximar artistas dos agentes artísticos, em particular tendo em conta o crescente número de programadores internacionais, a “Sessão de Pitching” assume-se como uma montra para artistas e trabalhos na área do circo.
 
Finalmente, e porque esta é uma edição com data redonda para o Vaudeville, a programação das “Atividades de Mediação” completa-se com uma “Mesa Redonda”, que junta artistas e diversos profissionais da cultura que se têm dedicado à criação e programação do circo e artes de rua em Portugal. Com o tema “10 anos +”, o momento vai centrar o discurso no trabalho desenvolvido até agora, refletindo no que ainda está por desenvolver no âmbito destas linguagens em território nacional. A “Mesa Redonda” vai ocupar o café-concerto da Casa das Artes de Famalicão, no dia 20 de julho, às 15h00.
 
As “Atividades de Mediação” do Vaudeville são gratuitas e abertas a todos os participantes com mais de 12 anos. Havendo um limite de participantes por sessão (20 pessoas), a inscrição é obrigatória, sendo necessário o preenchimento de um formulário, disponível em www.teatrodadidascalia.com. A restante programação do Festival pode também ser consultada através do site do Teatro da Didascália.
 

Periodicidade Diária

sábado, 13 de julho de 2024 – 19:04:38

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...